quarta-feira, agosto 05, 2009

"As férias selvagens de Putin" ou "As férias de Putin selvagem"?

Putin a cavalo (para o Mundo)
(foto roubada ao Público)

Noticiava hoje o Público:

As férias selvagens de Putin
O primeiro-ministro russo Vladimir Putin durante um passeio a cavalo na região de Tuva, no sul da Sibéria. Durante as férias, Putin, cinturão negro de judo, já voou num caça e matou um tigre da Sibéria. No sábado submergiu até às profundezas do lago Baikal num mini-submarino. Fotografia: Alexei Druzhinin/Ria Novosti/Reuters

Em breve nota, assinale-se que a população mundial de Tigre-da-Sibéria (Panthera tigris altaica) conta com menos de 300 indivíduos adultos em estado selvagem tendo o estatuto IUCN de Endangered (ver aqui), pelo que, me parece profundamente lamentável que um líder político com a projecção mundial de Putin dê este tipo de exemplo.

Não deixa de ser assustadora a necessidade de Putin mostrar ao mundo a sua virilidade, ora fazendo judo, ora matando um tigre, ora voando num caça. Ou, em versões bem mais hardcore, como a forma como faz política.
Qual líder bárbaro ou grande guerreiro medieval.

Gonçalo Rosa

7 comentários:

Daniel disse...

"...como a forma como faz política."??????? Quem dera a Portugal ter alguém como Putin no governo!!!! Não estariamos na miséria em que estamos, onde quem rouba e é corrupto é que escapa a tudo... até à justiça! Muito eu gostava de saber qual é o seu conhecimento em relação ao Sr. Putin para além do que é escrito e apresentado nos "media" ocidentais... quais cachorrinhos fiéis a uns tais estados unidos. Não falemos ou escrevamos sem conhecimento de causa.

Gonçalo Rosa disse...

Caro Daniel,

Certamente que temos visões completamente distintas sobre a personalidade do Sr. Putin.

Sublinhei a evidente necessidade que Putin tem de mostrar a sua "virilidade" utilizando como exemplo, nomeadamente, o abate de um tigre-da-sibéria e questiono-me até que ponto este padrão comportamental não se revela quando faz política.

Preferiu argumentar com generalidades "Quem dera a Portugal ter alguém como Putin no governo!!!! Não estariamos na miséria em que estamos". Não sei bem o que quer dizer com isto, mas se estamos a falar de PIB, salário médio ou pobreza, sugiro-lhe que dê uma olhada em:

http://www.wsws.org/pt/2005/jun2005/port-j07.shtml

Gonçalo Rosa

Anónimo disse...

Tanto quanto me recordo o que originou a morte do tigre não foi exactamente uma caçada programada especificamente com esse fim, para satisfazer os desejos de virilidade do Putin, mas posso estar a recordar-me mal...
Como português não me sinto moralmente à vontade para fazer críticas a russos, brasileiros, etc, pela sua falta de empenho conservacionista, dado que nós não somos exemplo disso para ninguém - como muito oportunamente isso é denunciado neste blog.
Cordialmente,
CTA

Manuela Araújo disse...

O blogue Sustentabilidade É Acção atribuiu a este blogue o prémio COMPROMETIDOS Y MAS 2009

Gonçalo Rosa disse...

Caro CTA,

Tanto quanto me apercebi, Putin já havia tido uma história com tigres (para além daquela cria que lhe fora oferecida no seu dia de anos), conforme noticiado, por exemploe, pelo The Guardian:

http://www.guardian.co.uk/news/blog/2008/sep/01/russia?gusrc=rss&feed=networkfront

Que, aliás, levanta questões semelhantes às que eu levanto.

O que cito é uma notícia do Público de hoje, que tomei como verdadeira.

E não, não fiz uma crítica a Putin tendo em consideração a sua nacionalidade. O que disse é que um líder com a projecção mundial de Putin não deveria dar exemplos destes, sendo completamente irrelevante a sua nacionalidade. De resto, há maus exemplos um pouco por todo o lado.

Gonçalo Rosa

Henk Feith disse...

Caro Gonçalo,

Tomar uma notícia, mesmo do Público, como verdade sem o cruzamento com outras fontes de informação é perigoso. Não digo que não tenha matado um tigre, que é deplorável caso verdade, mas para já não passa de uma notícia típica do silly season.

Henk

Gonçalo Rosa disse...

Caro Henk,

Infelizmente tenho que reconhecer que tens razão. E digo infelizmente, porque o que parece óbvio, num jornal de referência (?) como o Público, pode ser uma mera confusão jornalística.

Confesso que apenas fiz uma busca mais exaustiva após ter redigido este post e que não encontrei outra qualquer referência a este hipotético episódio. È pois provável que se trata de mera confusão jornalística.

Um abraço,

Gonçalo