terça-feira, setembro 14, 2010

Balanço

Aqui fica mais um gráfico. A percentagem de fogos nocturnos aumentou mas é fácil de explicar para quem acompanhou o assunto mais de perto: as condições associadas ao vento Leste foram-se tornando mais definidas progressivamente ao longo do Domingo (dia 12) sendo mais evidentes na noite de Domingo para Segunda, que neste gráfico acaba por ser uma noite dividida entre o dia 12 e o dia 13.
Por essa razão o número de fogos diário dá um salto (aumentam quase cem por cento, de Sábado para Domingo) e como as condições foram mais difíceis de noite (por volta das onze da noite de Domingo o site da protecção civil mostrava os primeiros dois fogos fora de controlo e quando antes de sair de casa dei uma vista de olhos pouco passava das cinco da manhã, já eram cinco fogos fora do controlo e havia quarenta iniciados depois da meia noite) a percentagem de fogos nocturnos subiu para um pouco mais de 40%.
Tudo voltaria ao normal nestes dias, porque o vento já mudou, não se desse o caso de provavelmente começar a chover entre hoje e amanhã.
A minha sugestão, dada esta perfeita coincidência entre a meteorologia e a actividade dos incendiários nocturnos, é que lhes deêm emprego no Instituto de Meteorologia onde o seu profundo conhecimento da meteorologia os tornaria socialmente úteis.
henrique pereira dos santos

3 comentários:

JMG disse...

Sou cliente recente, e já cativo, do blogue. Alguma vez publicou algum texto sobre a forma como os incêndios se iniciam? Pergunto isto porque acho as suas teses convincentes, inclusive quanto às costas largas dos incendiários. Mas elas referem-se às condições favoráveis à ocorrência e propagação de incêndios, que podem ou não ter lugar. Há algum estudo sobre este aspecto? Cordiais cumprimentos.

Anónimo disse...

Meu caro,
não existem explicações simples sobre os incêndios. As estatística não tem qualquer fiabilidade. Afinal de contas: quem está a contar?
Os ditos incêndios noturnos, mais não são do que reacendimentos e que são inseridos nas bases de dados como novas ocorrências!!!
Cuidado com a estatística.

Henrique Pereira dos Santos disse...

Caro JMG,
Existem vários estudos sobre isso. Eu raramente discuto a forma como os incêndios começam porque acho isso razoavelmente irrelevante. O meu ponto de vista é que ignições (no sentido químico da coisa, não no sentido de registo na protecção civil) existem aos milhares todos os dias mais ou menos em todo o lado. Portanto a questão não é saber por que razão os incêndios começam mas sim discutir por que razão não param.
Anónimo,
Não vejo onde possa ter vantagem em não olhar para números em vez de olhar para números que podem ter erros (e terão, com certeza). Tanto mais que normalmente olho para os números relacionando-os e não me impressionando muito com o seu valor absoluto, pelo que pelo menos os erros sistemáticos e constantes deixam de ter importância.
henrique pereir dos santos