sábado, julho 19, 2008

A gente não lê



Há algum tempo, depois dos fogos de 2003, 2004 e, sobretudo, 2005, falou-se muito de centrais de biomassa como um dos mais importantes contributos para a gestão de combustíveis em Portugal com as grandes vantagens de não sobrecarregar o contribuinte e o déficit e ser um reforço no uso de energias renováveis.

Depois disso o assunto desapareceu dos jornais e confesso que não tenho muita informação sobre a matéria, começando por não saber uma questão central: quais são os mixs de combustíveis que se propõem usar os donos das centrais de biomassa.

Para se ter uma ideia, a central de Biomassa de Mortágua usava apenas 2% de matos por razões facilmente compreensíveis: os matos são essencialmente água e ar, têm uma capacidade calórica baixa, é caro o seu corte e, sobretudo, o transporte e ainda correm o risco de auto-cumbustão quando armazenados ao mesmo tempo que entram em decomposição rapidamente diminuindo o seu já pouco interesse calorífico, dificultando muito o seu armazenamento e criando problemas de logística relacionados com o seu aprovisionamento.

Lembremo-nos que estas centrais são suportadas por um regime de incentivo que consiste no pagamento de tarifas mais elevadas dentro de regime especial de produção de electricidade e desenganem-se os que pensam que há almoço sem pagar: de facto não se onera o contribuinte e a despesa do Estado mas onera-se a economia, as empresas e as pessoas, com preços de electricidade mais altos.

Esta é aliás a base de muitas das críticas às energias renováveis (o seu efeito de absorção de recursos que doutra forma estariam disponíveis para a economia produzir mais riqueza) e apenas se justifica a sua manutenção porque os benefícios sociais gerais (sobretudo a internalização do custo ambiental do uso de energias a partir de combustiveis fósseis) serão maiores que a ineficiência económica assim gerada.

Ora as centrais de biomassa foram sobretudo justificadas com o seu contributo para a defesa do território face aos incêndios.

Vejamos.

Há 10 centrais (acho eu) previstas. Cada uma delas no limite pode ir buscar matos num raio de 30 Km (a partir daí o transporte dos matos é completamente inviável e suponho que esteja a diminuir esta distância de viabilidade face ao aumento dos combustíveis clássicos). Ou seja as dez centrais actuariam sobre 2 900 000 ha. Sobram 6 000 000 do país, ou, para ser mais favorável, sobram 3 500 000 de matos e florestas sem centrais.

Mas dentro dos tais 2 900 000 ha que seriam geridos com o contributo das centrais, seria preciso perceber que capacidade de absorção as centrais têm da produtividade primária dos matos. O que implicaria saber quanto produzem anualmente as centrais, qual a percentagem de matos no mix de combustíveis, que produtividades primárias existem na zona e multiplicar por quatro, considerando que para ser efectivo o seu contributo para a redução de combustiveis os matos deveriam ser cortados de quatro em quatro anos. Então teríamos o número de ha com contributo efectivo de gestão por parte das centrais. No fim bastaria calcular a diferença de preço da tarifa em regime especial para a tarifa base e ver quanto nos custa a todos (mesmo que não custe ao Estado) esse contributo para a gestão de combustíveis.

Se alguém tem acesso fácil aos dados que permitem fazer estas contas seria bom que os disponibilizasse aqui.

Arrisco-me a apostar dobrado contra singelo em que o preço por ha de gestão de combustíveis por esta via é pelo menos o dobro do que seria se o mesmo efeito fosse obtido com rebanhos de cabras (com o fringe benefit de deixar no terreno grande parte da matéria orgânica contribuindo para o aumento do fundo de fertilidade do país).

O problema é que com as cabras a prestar este serviço tornava-se mais óbvio que todos nós temos de pagar essa gestão porque nos falta um sistema centralizado, quase monopolístico e opaco que nos permite misturar este custo no meio dos outros e passá-lo ao consumidor de electricidade sem que ele dê por isso e se questione muito.

Quando por estes dias nos questionamos por que razão Portugal tem um desempenho económico pior que muitos outros países (não se trata de questionar a degradação da situação económica que em grande parte decorre de factores externos, trata-se sim de questionar por que razão Portugal, com os mesmos factores externos que outros países, tem um desempenho económico relativo pior) talvez seja bom lembramo-nos de como fazemos estas contas em cima do joelho e de como isso torna mais fácil escamotear a racionalidade das decisões atrás de passes de mágica que transferem os custos para a economia e as pessoas só porque é mais fácil que tornar claras as políticas públicas que as suportam.

"...
De que nos vale esta pureza
Sem ler fica-se pederneira
Agita-se a solidão cá no fundo
Fica-se sentado à soleira
A ouvir os ruídos do mundo
E a entendê-los à nossa maneira
...
Que adianta saber as marés
Os frutos e as sementeiras
Tratar por tu os ofícios
Entender o suão e os animais
Falar o dialecto da terra
Conhecer-lhe o corpo pelos sinais
E do resto entender mal
Soletrar assinar em cruz
Não ver os vultos furtivos
Que nos tramam por trás da luz"

(carlos tê e rui veloso (alterada a ordem de algumas estrofes por mim) que aconselho na versão de Isabel Silvestre)

henrique pereira dos santos

8 comentários:

Anónimo disse...

HPS,
De quantos W estamos a falar por central? Qual o valor do investimento? Qual o valor dos subsídios ao investimento? Qual o valor dos custos de exploração? Qual o valor dos subsídios ao custo de esploração?
Qual o impacte do rebanho de cabras? Está garantido que não haverá uma tendência para a desertificação dos solos?
Obrigado.

Coluna do Domingos disse...

Planeta que chora
Luiz Domingos de Luna
Revista Aurora

Reflito sobre a vida
sobre o mundo rotativo
do universo exuberante
da beleza do ser pensante
do mundo mágico criativo
É o solo, é a existência roída
de um planeta que chora, exaurido.
De uma fumaça de gás cumprimido
De um berço que faz sentido.
De uma paisagem destruida
que teimo em desfrutar
a reta um ponto vai ficar
o fim, o começo a externar
O espaço a gritar
O ambiente somente?
A água ?
A selva?
O mar ?
E nós humanos ?
O planeta chora
A inteligência ignora?
Onde iremos morar?
sem terra, sem piso, sem ar
sem fogo, sem água, sem mar?
por que a poluição ?
o farelo da destruição
O lixo cultural ?
O rio é um esgoto
O mar está morto
O ar é aborto
de quem quer abortar,
assim, volto ao pó
não tem reciclagem
é uma viagem.
mas viajo só?

Coluna do Domingos disse...

Alma de Cupim

Luiz Domingos de Luna
http://www.revistaaurora.com.

Adora a existência
Contempla o natural
O espaço sideral
Inteligência da potência

Muda a paisagem
Destrói a natureza
Maltrata a beleza
Em qualquer passagem

Dialética humana
Constrói o artificial
Dizima o natural
Da fumaça que emana

A construção de desertos
Na alma impregnada
Não pode sobrar nada
Em campos abertos

Qualquer jardim
Deve ser venerado
Aplaudido e aclamado
Querendo o seu fim

Luta demente
Não tem beleza
Não tem natureza
Não tem jasmim

Jardim da humanidade
Todos têm direito
Qual foi o defeito
Todos defendiam
Todos aplaudiam
Não tem mais jardim
Não tem mais culpado
O tempo rolado
Num mundo sem fim
Corpo humano
Alma de cupim.

Meus trabalhos estão a disposição na web.
Acesse-os:/ Luiz Domingos de Luna/. Todos por todos para o engrandecimento da epistemologia genética da humanidade.

Manuel Rocha disse...

Caro Henrique,

Acompanho por inteiro as suas reservas sobre o recurso à biomassa. A tal ponto que arrisco mesmo afirmar que por detrás desse projectos só podem estar dois fenómenos: pura ingenuidade ou claro oportunismo dos proponentes .

Onde não o acompanho é no recurso às cabras como alternativa, porque ele não faz sentido fora de um quadro geral de ocupação e uso do território cujos pressupostos se alteraram completamente.

A meu ver, não se pode procurar viabilidade na lógica económica instalada para ( re )equilibrios de gestão do espaço que obedecem a lógicas de o "habitar" completamente distintas.

Há cinquenta anos o uso da biomassa como combustivel ou como base de produção de fertilizante orgânico ( estrumes das camas de gados ) era uma consequência natural das soluções então em uso de ocupação do território. No limite as cabras não comem caruma, nem fetos, nem folhagem de sobreiro, e das silvas e estevas aproveitam a rebentagem tenra...o que quer dizer que sobra imenso para arder....

EcoTretas disse...

Sou um grande adepto das centrais de biomassa. A fiscalização será obviamente importante. Bem como direccionar para aqui os milhões que são gastos em Kamovs e companhia e que esses sim é dinheiro que se deita ao fogo...
Ecotretas

kaicevy disse...

com,1999:blog-7453210Tue, 22 Jul 2008 01:37:18 +0000ambiohttp://ambio

Ganhar Dinheiro disse...

Venho aqui deixar meu elogio a este belissimo blog, como sempre com posts muito interessantes, meus parabens, espero que continue sempre assim - são blogs assim que a internet esta precisando

Marketing na internet, como ganhar dinheiro online - Ganhar Dinheiro

Paulo disse...

Caro Henrique,

a esse numero não se esqueça da exportação da biomassa que é muito importante.

Para mim o exagero poderá não ser o número de centrais, mas sim o numero de kw produzidos.

Como trabalho um pouco com ela, posso afirmar que o custo produção da biomassa aérea é caro e só com distâncias curtas é que compensa, a não ser que o custo KWh mude.

O meu receio é num futuro aumente os incêndios para termos mais biomassa...

Cumprimentos,

Paulo Maio