terça-feira, maio 05, 2009

carta a Sócrates


Exmo. Sr. Primeiro-Ministro,

Escrevo-lhe esta carta, na humilde condição de seu eleitor circunstancial. É certo que nada convicto de algumas das políticas que protagoniza, mas, dadas as alternativas e as condições muito particulares em que decorreram as últimas eleições, estupidamente seguro de que seria a única opção de governo decente. Desculpe-me a sinceridade... mas uma espécie de mal menor. Passados estes anos, constato que errei redondamente e acho que só agora compreendo a verdadeira dimensão e literal significado da palavra "estupidamente".

Há um par de semanas atrás, a Quercus publicou uma petição online em defesa da Reserva Agrícola Nacional (a famosa RAN, se bem se recorda, dos seus tempos de Ministro do Ambiente). Ao que parece, o diploma recentemente publicado no Diário da República mais não faz do que "esvaziar" a (mal)dita RAN, essa pedra no sapato de alguns que julgam promover o desenvolvimento do país.

Confesso que me surpreendi (e surpreendo) com o vasto número de pessoas que aderiram à iniciativa. Mais de 1.600, até então. Muitas personalidades do movimento ambientalista, é certo, entre gentes de diversas áreas. E eu, que tenho andado a moer a cabeça, perguntando-me a mim próprio como subestimei tanto a vontade de tanta gente. Pensava que se fosse possível juntar umas 200 ou 250 assinaturas já "se fazia a festa"...

E acho que mais do que a defesa da RAN, propriamente dita, o que moveu muitas daquelas pessoas é o facto de estarem fartas deste tipo de rasteiras e mentiras usadas sistematicamente, pelos vários governos que têm dirigido o país. Houvesse a coragem política de acabar definitivamente e assumidamente com a RAN e talvez não fossem tantas as assinaturas recolhidas.

Mais do que concordar com as políticas em concreto, as pessoas deixaram de acreditar nos que nos governam, na sua honestidade intelectual, na sua bondade e boa fé. E nas próximas eleições, completamente descrente, lá voltarei eu a votar sem usar tinta. No meu "partido" de há várias eleições.

Gonçalo Rosa

1 comentário:

aurora disse...

Pois Gonçalo, e eu que voto em branco há quase 20 anos já desisti de acreditar que é possível mudar isto sem que sejamos os primeiros a agir. É que todos os outros estão à espera, sempre, que alguém dê o primeiro passo.