quarta-feira, fevereiro 17, 2010

As rolhas vistas por um produtor de cortiça

A discussão sobre o uso das rolhas, que é mais que uma discussão sobre rolhas sendo sobretudo uma discussão sobre a integração da sustentabilidade nas decisões empresariais e nas decisões de consumo, tem neste post mais um desenvolvimento, desta vez por António Posser de Andrade:
"É inevitável deduzir que Miguel Champalimaud (MC) achou a minha resposta ao seu texto inicial insuficientemente estruturada para merecer a sua resposta.
Não estranhei, mas noto esta sua postura pois recebi algumas centenas de mensagens de apoio que tinham como denominador comum o facto de essa minha resposta estar bem fundamentada e bem estruturada. Enfim, é uma opinião que devo respeitar, mas tenho pena, pois devo admitir que custou-me muito tentar estruturar uma resposta a umas afirmações tão tendenciosas (para já não falar das perguntas) como as que Miguel Champalimaud proferiu.
Mas, como me incluiu na lista de endereços no seu segundo texto endereçado ao Sr. Arquitecto Henrique Pereira dos Santos decidi gastar mais algum tempo, apesar de com pouca esperança de mudar o “fundamentalismo” e o claro “engajamento” das suas opiniões; mas com o intuito claríssimo e prioritário de não deixar que a mesma mentira repetida muitas vezes passe a ser considerada, por alguém menos conhecedor do assunto, uma verdade.
Assim, continua a “luta”.
Após período extenso de reflexão claramente concluo que a falta de resposta do MC aos meus argumentos demonstra que Miguel Champalimaud realmente não quer debate nenhum pois, caso o quisesse, teria:
1- Respondido directamente ao que escrevi e não apenas colocado o meu nome em cc numa sua suposta resposta ao Sr. Arq. Henrique Pereira dos Santos.
2- Enviado essa sua suposta resposta ao correcto endereço de mail do Sr. Arq. Henrique Pereira dos Santos e não para um endereço de mail da Quinta da Marinha; que creio seja pertença do próprio Miguel Champalimaud ou da sua Quinta da Marinha (IMCEAMAILTO-as1075017+40sapo+2Ept@quintadamarinha.pt).
(Vai sempre a tempo de reenvia-lo para o correcto as1075017arroubasapo.pt, como se pode muito bem ver no correio electrónico que originalmente recebeu do Sr. Arquitecto.)
Fundamenta também esta minha convicção a certeza de que o MC já percebeu que está desactualizado ou simplesmente desconhece o que se passa na questão dos vedantes para vinho, em particular e, no sector da cortiça, em geral.
Pode-se deduzir isso pelas enormes confusões que faz em assuntos concretos, por ele próprio levantados, como por exemplo no que diz respeito às declarações do crítico Robert Parker. Note-se inclusive que, até o seu enólogo, pasme-se, não alinha pelas "convicções" do MC pois em recente entrevista a uma estação de televisão nacional refere (mal) em 5% os vinhos afectados com “sabor a rolha”. Afinal em que ficamos? Parker (que na primeira carta de MC era o seu primeiro e principal trunfo) afinal afirma que são menos de 1%, o enólogo da casa Montez Champalimaud fala de 5% e o MC brinda-nos com …. 15%. Oops, com certeza uma pequena gafe; sem querer, claro.
Ao mesmo tempo MC, que se auto-proclama um defensor da modernidade, demonstra estar bastante desactualizado com notícias realmente modernas sobre o sector e o produto que acusa de ser "passado"; tal como se pode ver ao menosprezar ou desconhecer o facto já mencionado no meu texto anterior sobre os vinhos da Nova Zelândia da marca "Nobilo", que são líderes nos EUA exactamente porque se diferenciaram da concorrência ao adoptar a nossa velha e antiga rolha de cortiça como seu vedante de eleição.
Mas tenho novidades para o MC sobre para onde sopram os ventos da modernidade. Agora, sobre o mercado Europeu e especificamente o Inglês:
http://www.guardian.co.uk/environment/2009/dec/31/sainsburys-corks
Ainda há tão pouco tempo a Inglaterra e as suas maiores cadeias de distribuição eram a ponta da lança das tampas de rosca de alumínio provenientes dos novos vinhos produzidos na sua Commonwealth. Parece que afinal as coisas estão a mudar. Boas notícias para Portugal sem dúvida. Para o MC? Ele é que sabe.
Especificamente sobre a putativa réplica do MC, a que ele me deu acesso, gostaria somente de dizer algumas coisas, pois os inúmeros argumentos apresentados não resistem a uma análise minimamente atenta. No interesse da rapidez da leitura e porque creio que já todos percebemos que os argumentos do MC não são de “quem quer discutir, argumentar e ver os ventos da História, mas antes de alguém engajado (sic)”, apenas noto que:
1- Uma análise do ciclo de vida dos diferentes vedantes e elaborado pela Price WaterhouseCoopers para um fabricante de rolhas, por acaso, até inclui o impacto ambiental de uma cápsula de PVC. Para ver onde a “modernidade”de MC nos levaria a todos, relembro que o vedante utilizado no Qt. do Côtto emite 24 vezes mais CO2 que a rolha de cortiça MAIS a cápsula, sendo que e como complemento a este dado informo que a existência do montado de sobro (só) em Portugal é responsável pela retenção ANUAL de 5 milhões de toneladas de CO2, conforme estudo especifico elaborado pelo ISA (Instituto Superior de Agronomia).
2- As ONG’s, goste-se ou não delas, são claras quando dizem que no mundo existem 100 000 empregos que dependem da cortiça. Trabalharão quase todos na mesma empresa? A verdade é que apenas a Associação de Cortiça de Portugal conta com centenas de empresas que são parte de um tecido empresarial que existe em vários países do mundo. Existe um líder na indústria? Claro, mas que indústria de sucesso na história do mundo não tem um líder?
3- Há empresas de cortiça que têm mais de metade das suas necessidades energéticas cobertas por biomassa, material obviamente renovável. Em algumas unidades essa % pode chegar aos 80%. Que “discute” realmente MC quando decide ignorar repetidamente factos como estes? Quanto à emissão de águas “lixiviadas” (sic) não sei se o adjectivo alguma vez existiu; mas há mais de uma década que não se usa cloro no processo produtivo da cortiça. Obviamente que MC deve seguir o seu próprio conselho: “visite-se uma moderna fábrica de cortiça com olhos de ver;” e se não o conseguir, tem sempre a opção de ver na internet “de forma exaustiva o moderno processo produtivo de uma rolha de cortiça”. E, imagine-se, até há jornalistas que se “atrevem”. Em http://www.wineanorak.com/corks_part1.htm está todo o processo descrito por alguém tem um doutoramento, é membro da Association of British Science Writers e que ganhou vários prémios pelos seus artigos e livros já publicados.
4- Sobre as referencias que MC faz a latas de atum, latas de cerveja e redbull e as suas considerações sobre a terra do Sobreiro e o estado de espírito daqueles que lá vivem, realmente não vou responder nem comentar, pois não o poderia fazer sem ser trocista ou ofensivo e a educação recebida, que prezo, impedem-me de o fazer. Mas deixo aqui um pequeno filme que espero ajude a desanuviar os espíritos. Até porque parece que o título tem destinatário próprio:
http://www.savemiguel.com/
5- Discutidas e argumentadas estas questões, abordemos, por último, “os ventos da História” e a afirmação de MC que o alumínio e o petróleo são os responsáveis pelo bem-estar da humanidade. Claro que para aquela parte da Humanidade que fica pior quando lhe poluem os rios e lhe retiram ar saudável para respirarem, essa afirmação poderá soar estranha. Para os que beneficiaram do petróleo e da enorme destruição causada pelas minas a céu aberto de onde se extraem os componentes do alumínio, os ventos da história já começaram a mudar, pois a sua consciência assim o dita.
É que até os economicistas sabem que uma performance positiva não é garantia de lucros futuros. O que parte da Humanidade já compreende, em números que não auspiciam nada de bom para os Quintas do Côtto deste mundo, é que não podemos continuar como no passado. Criar mecanismos de progresso económico e social sem que isso implique paisagens “inóspitas e com balanço negativo para a biodiversidade” é o que nos trazem esses “ventos da História”. E felizmente que assim é, porque sabemos que esses ventos são como as vinhas; há que semeá-los com cuidado ou os resultados serão diferentes do esperado.
Conclusão:
É minha convicção que:
- O MC não quer debate e sim uma salvadora publicidade para os seus vinhos.
- Está desactualizado e muito mal informado sobre vedantes para vinho e sobre o sector da cortiça.
- Está completamente desactualizado sobre a dinâmica evolução do mercado do vinho engarrafado e as tendências dos consumidores.
- Está contra que se descubra uma “mina de ouro” (???) em Portugal preferindo que elas existam em outros Países (provavelmente porque não é sua).
- Prefere continuar a produzir os seus vinhos com as suas tampas de alumínio mesmo sabendo que essa sua atitude, somada a de outros que pensam e são como ele, só poderá levar a um mundo ambientalmente exaurido e destruído onde as gerações vindouras, à custa destes irresponsáveis comportamentos, é que sofrerão e pagarão esta obsessiva corrida ao lucro.
- Está completamente a borrifar-se para o impacto social, económico e ambiental que o desaparecimento do montado de sobro traria a Portugal.
- Noto todavia com muito agrado duas coisas nestes textos do MC:
A- Que todas as acusações às rolhas de cortiça, implícitas no primeiro texto do MC, reduziram-se finalmente a uma defesa, no mínimo infantil, sobre a utilização das cápsulas de estanho e o fútil “não sou o único” referindo-se a um outro produtor. É caso para se dizer que, verdadeiramente, a montanha pariu um rato.
B- A enorme preocupação demonstrada pelo MC em baixar o máximo possível o preço dos seus produtos para possibilitar uma mais fácil aquisição do mesmo pelos seus clientes. Anotei e conto, quem sabe um dia, utilizar essa “generosidade”, quando pretender comprar um lote na Quinta da Marinha. Depois informarei a todos dos resultados obtidos.
Com estas palavras encerro a minha participação neste debate de ideias que se desejava construtivo; para que o fosse, era necessário que os seus intervenientes também o fossem. De minha parte dei o meu melhor mas parece-me, sinceramente, que este debate (como alguns vinhos que utilizam o screwcap) está a ficar “reduzido” ou “oxidado”, que são os termos com que os utilizadores das tampas de rosca de alumínio empregam para classificar vinhos com problemas causados, exactamente, pelo seu vedante de eleição, o screwcap.
Agradecido pela atenção que me deram,
António Posser de Andrade
Produtor Florestal"

5 comentários:

Nuno disse...

Bom Dia,

Esta resposta é bastante clara mas gostava de saber qual o ponto de vista de um produtor de cortiça quanto á sustentabilidade económica do sector enquanto dependente da utilização da cortiça como vedante de bebidas, independentemente da sua qualidade nessa função.

Como é mencionado no texto, para além das suas qualidades como vedante esta matéria-prima tem também uma reduzidíssimo energia incorporada, o que em conjunto com o facto de ser o sustento do montado, lhe dá umas credenciais ambientais muito superiores a outros isolantes, nomeadamente os usados na indústria da construção.

Se excluirmos outros isolamentos "naturais" que ou são importados de países tropicais ou têm maiores custos ambientais ou económicos (como lã de carneiro, canhâmo, fibra de coco, celulose) o mais próximo em termos de energia incorporada são as lãs minerais, fruto da indutria extractiva e com muito maior energia aplicada.

Qual a opinião do António Posser de Andrade quanto á aposta agressiva no aglomerado negro de cortiça como isolante ecológico de eleição em Portugal e na Europa?

ps- Pareceu-me que os painéis de aglomerado podem utilizar cortiça de árvores mais jovens, de material reciclado e são alvo de menores exigências técnicas do que as diminutas rolhas, é possível confirmar isto?

Cumprimentos

Nuno Oliveira

Sérgio disse...

Caro Engº Posser de Andrade,
Bem-haja pela clarividência, sensatez e objectividade do seu discurso.
São argumentos como os seus que consolidam ainda mais a nobreza desta "nossa" matéria-prima.

APA disse...

Sr. Sergio.
Obrigado pelas suas palavras. Esclareço contudo que não sou Engenheiro.
Cumprimentos

APA disse...

Sr. Nuno.

A pergunta que me coloca para ser bem respondida deverá ser respondida por alguém da Industria que tenha toda a informação necessária a nível de custos e mercados para poder responde-la.

Não é o meu caso pois apenas sou um produtor que acha que todas as energias que têm devem ser canalizadas para produzir mais e melhor. Se assim o fizer cumprirei bem com a minha parte dentro deste sector.

Dito isto acrescentaria que idealmente era bem melhor para todo o sector da cortiça que existissem outras aplicações tão ou mais vantajosas como actualmente as rolhas o são.

Eu utilizo revestimentos e chãos de cortiça em tudo de novo que faço contudo parece-me que a cortiça tem um problema com a economia de escala pois com a produção mundial que há não me parece que seja possível satisfazer a demanda suficiente para que se possa produzir esse tipo de materiais a custos competitivos.

Soube que há alguns (poucos) anos a Amorim revestimentos teria aprovado um plano de investimento na empresa de cerca de 30 milhões. Se assim o fez é porque considera com certeza haver viabilidade económica.

Nuno disse...

Caro António Posser de Andrade,

Agradeço a resposta, como cliente de produtos de cortiça para construção tive a percepção de uma aposta maior mas tímida do sector neste aspecto, ainda bem que pode confirmar que assim é. Infelizmente, como diz, é um produto várias vezes mais caro para as espessuras de que exige para o mesmo desempenho dos seus rivais em matéria de isolamento, por exemplo. Espero que esta situação se altere até atingir pelo menos a rentabilidade das rolhas o que não inverosímil de alcançar a curto prazo, com o crescente foco na construção sustentável com produtos renováveis e locais.

Cumprimentos