segunda-feira, março 02, 2009

Ainda os painéis solares


Esta notícia do Público dá mais detalhes e já estive no site de um dos bancos envolvidos a ver o que está incluído no pacote e verifiquei que a "chave na mão" apenas existe para as moradias.
Considerando que o incentivo só dura um ano e que vai desestruturar a oferta por que razão foi esta a solução escolhida para incentivar o uso de água quente solar.
Mais uma vez só me ocorre uma explicação: o Estado incentiva vendendo licença.
Tal como acontece nas energias renováveis, em que tarifas mais altas permitem que os privados invistam, criando-se assim actividade económica qapoiada pelo Estado sem que o orçamento de Estado se ressinta, também aqui suspeito que o incentivo não é integralmente assumido pelo Estado mas aborvido num desconto que os fabricantes fazem por serem incluídos no programa e dessa forma arrasarem por completo a concorrência, para além de garantirem mercado com as despesas de promoção e venda a correrem por conta do Estado.
Não tendo qualquer dúvida da bondade de assumir a água quente solar como a mais prioritária das políticas energéticas de produção, excluindo portanto a eficiência energética que está a montante, parece-me que esta opção é boa para o Governo, é boa para alguns fabricantes mas vai sair muito cara aos cidadãos mais tarde.
E é pena.
henrique pereira dos santos

2 comentários:

pedro.reis-17 disse...

Para mais informações visitem o site www.renovaveis.tecnopt.com

Anónimo disse...

Quando a esmola é grande, o pobre desconfia. E o ditado confirma-se, com os factos. Pague 50%, agora. Paga, bem pago, a outra metade depois. Porque lhe acrescem os juro, pois claro. Interessante seria, para quem tem o dinheiro, pagasse a metade. Assim a propaganda correspondia ao anunciado e às expectativas.

Amílcar A.

http://www.cgd.pt/Particulares/Casa/Credito-Lar/Pages/Campanha-Solar-Termico-2009.aspx#