terça-feira, dezembro 08, 2009

2000-2009: A década mais quente desde 1850


É um relatório preliminar do "World Metereological Organization" mas vale a pena estar atento à actualização que for feita quando o ano acabar. Antevejo que, como se aludiu aqui e se discutiu em maior detalhe aqui a afirmação de que o clima estabilizou desde 1998 se encontrará desactualizada em breve:

Geneva, 8 December 2009 (WMO) – The year 2009 is likely to rank in the top 10 warmest on record since the beginning of instrumental climate records in 1850, according to data sources compiled by the World Meteorological Organization (WMO). The global combined sea surface and land surface air temperature for 2009 (January–October) is currently estimated at 0.44°C ± 0.11°C (0.79°F ± 0.20°F) above the 1961–1990 annual average of 14.00°C/57.2°F. The current nominal ranking of 2009, which does not account for uncertainties in the annual averages, places it as the fifth-warmest year. The decade of the 2000s (2000–2009) was warmer than the decade spanning the 1990s (1990–1999), which in turn was warmer than the 1980s (1980–1989). More complete data for the remainder of the year 2009 will be analysed at the beginning of 2010 to update the current assessment.

Ver notícia completa aqui

46 comentários:

Range-o-Dente disse...

"A década mais quente desde 1850"

Não tem absolutamente nenhuma importância. Significa apenas que antes de 1850 a temperatura era mais alta.

Do ponto de vista da história natural, 160 anos foi há 10 minutos. Não tem qualquer relevância.

Anónimo disse...

não tem relevância para quê?

Range-o-Dente disse...

... para o que quer que seja a não ser para fomentar o disparatado alarmismo. Boataria.

Lowlander disse...

1 - Porque e que nao tem "nao tem qualquer relevancia"?

2 -
"2000-20009: A década mais quente desde 1850" - titulo do post

"Significa apenas que antes de 1850 a temperatura era mais alta." - comentario do range-o-dente

Isto e uma falacia non-sequitor porque o titulo nada diz acerca de periodos pre-1850.
Se eu disser que "sou hoje mais velho do que era em 2005". Nenhum "significado" se pode deduzir, com base na minha frase, sobre a minha idade antes de 2005.

Range-o-Dente disse...

"Isto e uma falacia non-sequitor porque o titulo nada diz acerca de periodos pre-1850."

Não? Como na anedota do alentejano e das ovelhas pretas e brancas?

Range-o-Dente disse...

Das duas uma.

Ou não se sabe se é desde 1850 e então a afirmação vale um tremoço, ou implica que a década anterior a 1850 foi mais quente que a recente.

Não há volta a dar.

Lowlander disse...

"Ou não se sabe se é desde 1850 e então a afirmação vale um tremoço, ou implica que a década anterior a 1850 foi mais quente que a recente."

O range-o-dente ou esta a querer propositadamente desconversar ou tem problemas de compreensao...
Como e que o range-o-dente infere tao extraordinaria dicotomia do que esta escrito no titulo?

O titulo indica claramente (pensava eu ate ha pouco) que, no periodo de analise decadal 1850-2009, a decada 2000-2009, e a mais quente de todas.
Retirar qualquer tipo de conclusao, com base neste titulo, de para periodos de tempo fora desta janela de analise e ilogico e falacioso.

Lowlander disse...

errata:

leia-se
periodo de analise inter-decadal

em vez de
periodo de analise decadal

Range-o-Dente disse...

Caro Lowlander,

O caro lê mal.

"A década mais quente desde 1850"

Foi exactamente o que transcrevi no comentário inicial.

O título indica claramente o que lá está escrito: que de 1850 para cá, a recente década foi a mais quente. Não é preciso ser cientista de foguetões para perceber que só analisando apenas de 1850 para cá se pode afirmar que de 1998 a 2008 (salvo erro) é a década mais quente.

A dicotomia aparece porque o caro conclui coisas ao arrepio do que o título refere.

Explicar melhor que isto, só se fizer um desenho.

Lowlander disse...

"Não é preciso ser cientista de foguetões para perceber que só analisando apenas de 1850 para cá se pode afirmar que de 1998 a 2008 (salvo erro) é a década mais quente."

Dou-lhe razao, nao e definitivamente preciso ser cientista de foguetoes.
Basta apenas, isso sim, ter preconceitos e uma tendencia para argumentar por sofismas.
Se o titulo indica que o periodo de analise e de 1850 para ate ao presente qualquer inferencia fora deste periodo de analise sem mais premissas e, obviamente, falaciosa.

Anónimo disse...

Desculpem se interrompo a vossa conversa mas continuo sem perceber a primeira afirmação sobre a falta de relevância. Como é óbvio a relevância depende da pergunta. Se a pergunta é se o clima continua a aquecer ou se a estabilidade dos últimos 10 anos é para ficar, é natural que a aparente paragem do ciclo de estabilidade é importante. De resto é óbvio que este não é o único século quente da história do planeta: "and so what?"

Alguém alguma vez afirmou que assim era?

Range-o-Dente disse...

"Se o titulo indica que o periodo de analise e de 1850 para ate ao presente qualquer inferencia fora deste periodo de analise sem mais premissas e, obviamente, falaciosa."

Falacioso é o título porque afirma o que não pode afirmar.

É aliás, uma técnica muito usada: tentar induzir em erro.

Se há mais premissas o título não deve (pode) afirmar o que afirma, peremptoriamente.

O título não diz que talvez seja ou deixa am aberto qualquer outra possibilidade. O título afirma:

"2000-2009: A década mais quente desde 1850"

Os mails que por aí andam à solta deixam claro o uso até ao vómito dessa técnica: "misleading", o exercício preferido do vigarista.

Miguel B. Araujo disse...

Caro Range-o-Dente,

Pode explicar em quê que eu induzi os leitores em erro? O titulo do comunicado de imprensa da World Meteorological Organization é "2000–2009, THE WARMEST DECADE" e eu resolvi acrescentar 1850 para evitar que o título fosse equívoco. Neste contexto, a conversa abaixo parece-me perfeitamente kafkiana. Mas pode ser que esteja a ver mal. Ou pode ser que o range-o-dente esteja a discutir outra coisa, i.e., a base científica que está por trás das afirmações da WMO. Seria supreendente que fosse o caso ("presunção e água benta cada um dá a que tem") mas se for mais do palavras atiradas ao vento seria interessante ler argumentos de substância.

Range-o-Dente disse...

Caro MA,

O título original diz que é o pior sem referir o contexto parecendo razoável que se pense que é o pior desde sempre. Um absoluto. Misleading ...

Quando o MA acrescenta 1850, aplica a precisão que torna a coisa tão errada quanto antes trocado apenas o vector. Deixou de ser o mais quente em absoluto para ser o mais quente em termos relativos.

Se o primeiro caso não tem pés nem cabeça, o segundo também. Como as ovelhas do pastor alentejano.

Range-o-Dente disse...

"Quando o MA acrescenta 1850, aplica a precisão que torna a coisa tão errada quanto antes trocado apenas o vector"

Quero dizer, a data poderá estar ou não errada, mas não é esse o problema.

O título inicial garante o que não pode porque a terra tem milhões de anos e, garantidamente, já houve períodos mais quentes de mais que uma semana, um doa quais há menos de 1000 anos.

O segundo título é disparatado porque dá significado importante a um fenómeno por, em particular, ter tido lugar num período que, em termos da história natural, não tem qualquer significado.

Misleading, em qualquer dos casos.

Range-o-Dente disse...

É claro que, por muito que lhe custe, de momento, tudo está posto em causa.

Já ninguém acredita no que quer que seja e, a bem da ciência, eu acho razoável que assim seja.

Se foi mais quente ou não foi, veremos. Como já vimos em relação ao "mais quente ano - 1998".

Azares ...

Lowlander disse...

"O título inicial garante o que não pode porque a terra tem milhões de anos e, garantidamente, já houve períodos mais quentes de mais que uma semana, um doa quais há menos de 1000 anos.

O segundo título é disparatado porque dá significado importante a um fenómeno por, em particular, ter tido lugar num período que, em termos da história natural, não tem qualquer significado."

Pronto. La esta o que eu dizia: preconceitos e sofismas. A desconversa la de cima era, obviamente, a ponta do proverbial iceberg.
Que tal uma hiperligacao para um relatorio independente ou artigo cientifico em peer review que corrobore isto:

"já houve períodos mais quentes de mais que uma semana, um doa quais há menos de 1000 anos."

ou isto:

"Já ninguém acredita no que quer que seja e, a bem da ciência, eu acho razoável que assim seja."

Ou so pretende argumentar a base de "bocas"?

Range-o-Dente disse...

"Que tal uma hiperligacao para um relatorio independente ou artigo cientifico em peer review que corrobore isto:"

Consulte o 1º relatório do IPCC, aquele onde figurava um gráfico em que determinada 'bossa' de temperatura era, por acaso, referido num dos malfadados mails como coisa a fazer desaparecer.

Que peer review? Prefere aquele que vinha mencionado nos mails como gajo a afastar e a ser substituído por 'malta da nossa'?

joserui disse...

"O título inicial garante o que não pode porque a terra tem milhões de anos".
E se recuarmos o suficiente, chegaremos à conclusão, sem margem para qualquer dúvida, que as causas do aquecimento global se devem a dois organismos unicelulares numa poça de água morna.
Este senhor com os dentes a ranger já comentou dez vezes sem apresentar um único argumento a favor da sua tese. Lá julgará que está no Blasfémias, com o brilho intelectual de Tinas, Ecotretas e o próprio. -- JRF

José M. Sousa disse...

Sobre o antes de 1850 talvez o Range-o-Dente queira ler o que diz a Academia das Ciências dos EUA

Range-o-Dente disse...

JoseRui,

Não preciso recorrer a uma tese para demonstrar que o título:

"2000-2009: A década mais quente desde 1850"

é uma fraude.

A não ser que para demonstrar que 2+2=4 seja necessário, para o JR, a apresentação de uma tese.

Range-o-Dente disse...

JS,

É pena que Michael Mann não sabesse desse link. Se soubesse já não seria necessário pedir ao resto do gang:

"it would be nice to try to "contain" the putative "MWP""

http://www.eastangliaemails.com/emails.php?eid=319&filename=1054736277.txt

Talvez tenha pedido à malta da Academia de Ciências como conter o dito.

joserui disse...

É uma fraude. Porque não diz o resto? Elabore mais um bocadinho a tese do vigarista.
"Significa apenas que antes de 1850 a temperatura era mais alta."
Esta conclusão extraordinária, apenas com base no título do post, tem sustentação onde? Mande os links para os dados e para os artigos científicos. Já gastou uma dúzia de comentários e argumentos zero. Se não os tem próprios, link para os dos outros. -- JRF

José M. Sousa disse...

Se você confunde uma declaração de uma academia das ciências com um qualquer link não se sabe de onde, então não há nada a fazer, você está de má fé e não merece qualquer réplica

Range-o-Dente disse...

"Esta conclusão extraordinária, apenas com base no título do post, tem sustentação onde?"

No título.

"A década mais quente desde 1850"

"Se você confunde uma declaração de uma academia das ciências com um qualquer link não se sabe de onde,"

Só você não sabe. Não quer saber. A religião tem dessas coisas.

joserui disse...

Fui ler o mail que o senhor Range-o-Dente indica e não entendo o alcance. Aquilo prova o quê? Não sei o que estava publicado sobre o MWP em 2003 (ao contrário do mencionado senhor). E na prática, o que foi publicado em artigos científicos, é uma consequência do e-mail? Ainda não encontrei provas disso.
Obviamente não leu o link deixado para a Academia Americana, obviamente está mais interessado em conversa do que em conhecimento. Pode ser que leia este sobre o MWP (NOAA). -- JRF

Range-o-Dente disse...

"Aquilo prova o quê?"

Nunca prova nada se não for ao encontro da nossa fé.

joserui disse...

"No título"
Estou a ver... Torna-se óbvio que além de especialista em títulos, é senhor de uma sagacidade acima da média.
Sugira um título alternativo ao autor do post. Tendo em consideração a qualidade da argumentação que exibiu, a sugestão só poderá ser bem acolhida. E nem poderia ser de outra forma. JRF

Range-o-Dente disse...

"é senhor de uma sagacidade acima da média."

Muito obrigado.

http://joannenova.com.au/2009/12/fraudulent-hockey-sticks-and-hidden-data/#more-4660

... o tal que, aqui num outro post ...

"Relatório da National Academy of Sciences (EUA):

Pág.3
«The basic conclusion of Mann et al. (1998, 1999) "

Lowlander disse...

"Consulte o 1º relatório do IPCC, aquele onde figurava um gráfico em que determinada 'bossa' de temperatura era, por acaso, referido num dos malfadados mails como coisa a fazer desaparecer."

E essa "bossa", desapareceu de algum dos subsequentes relatorios do IPCC por acaso?
Concretize! O que e que se passou ao certo? Quem fez o que, quando e como e com que consequencias? Caso contrario nao passa de calunia e pouco contribui para a adesao racional ao seu argumento como de certo compreendera.

"Que peer review?"

O mesmo que gerou o conhecimento cientifico que permitiu o desenvolvimento de tecnologias como o computador que esta a usar neste momento.

joserui disse...

"Nunca prova nada se não for ao encontro da nossa fé."
Ainda bem que fala nisso! É que eu fiquei com uma dúvida. Até quando se deve recuar, na sua avisada opinião, para não cairmos em óbvios "misleadings" ou, como muito bem observou, "vigarices". 10.000 anos parece-lhe bem? JRF

Range-o-Dente disse...

"Sugira um título alternativo ao autor do post."

Uma década quente?

Uma década muito quente?

Aliás o texto é todo ele especulativo e nada de mal há nisso desde que a especulação seja mantida em claro ... o que o título não respeita.

Range-o-Dente disse...

JoséRui,
"10.000 anos parece-lhe bem"

Não, porque a maioria desse tempo estava-se num período glaciar, como você deve saber.

Pelo menos 500.000 anos. Pelo menos.

Range-o-Dente disse...

http://oinsurgente.org/2009/12/09/a-cimeira-de-copenhaga-e-o-climategate/


With 20,000 delegates, advocates and journalists jetting to Copenhagen for planet Earth’s last chance, the carbon footprint of the global warming summit will be the only impressive consequence of the climate-change meeting. Its organizers had hoped that it would produce binding caps on emissions, global taxation to redistribute trillions of dollars, and micromanagement of everyone’s choices.

(…)

Disclosure of e-mails and documents from the Climate Research Unit (CRU) in Britain — a collaborator with the U.N.’s Intergovernmental Panel on Climate Change — reveals some scientists’ willingness to suppress or massage data and rig the peer-review process and the publication of scholarly work. The CRU materials also reveal paranoia on the part of scientists who believe that in trying to engineer “consensus” and alarm about warming, they are a brave and embattled minority. Actually, never in peacetime history has the government-media-academic complex been in such sustained propagandistic lockstep about any subject.

(…)

The travesty is the intellectual arrogance of the authors of climate-change models partially based on the problematic practice of reconstructing long-term prior climate changes. On such models we are supposed to wager trillions of dollars — and substantially diminished freedom.

Some climate scientists compound their delusions of intellectual adequacy with messiah complexes. They seem to suppose themselves a small clerisy entrusted with the most urgent truth ever discovered. On it, and hence on them, the planet’s fate depends. So some of them consider it virtuous to embroider facts, exaggerate certitudes, suppress inconvenient data, and manipulate the peer-review process to suppress scholarly dissent and, above all, to declare that the debate is over.

Consider the sociology of science, the push and pull of interests, incentives, appetites and passions. Governments’ attempts to manipulate Earth’s temperature now comprise one of the world’s largest industries. Tens of billions of dollars are being dispensed, as by the U.S. Energy Department, which has suddenly become, in effect, a huge venture capital operation, speculating in green technologies. Political, commercial, academic and journalistic prestige and advancement can be contingent on not disrupting the (postulated) consensus that is propelling the gigantic and fabulously lucrative industry of combating global warming.

Copenhagen is the culmination of the post-Kyoto maneuvering by people determined to fix the world’s climate by breaking the world’s — especially America’s — population to the saddle of ever-more-minute supervision by governments. But Copenhagen also is prologue for the 2010 climate change summit in Mexico City, which will be planet Earth’s last chance, until the next one.

joserui disse...

"Não, porque a maioria desse tempo estava-se num período glaciar, como você deve saber."
Não sei nada. Como falou em fé, e tendo em conta o discurso, pensei logo em 10.000 anos.

"Pelo menos 500.000 anos. Pelo menos."
Pelo menos! Porquê ficarmos por aí? Remeto-o para o meu primeiro comentário que naturalmente lhe escapou. JRF

joserui disse...

He, lá. Um copy/paste do Insurgente? Eu quando lá ia, há uns 500.000 anos, aquilo era o blogue do copy/paste. Sem uma única ideia original.
Deixe-me adivinhar... É um copy/paste de um autor com três "A" como iniciais? Bom rapaz. Honesto. Sabe o que gosto nele? Nada. -- JRF

joserui disse...

Sobre a Jo Nova. Custa-me ler uma página com gráficos de má qualidade, lápides e propaganda barata.
A correcção ao Hockey Stick apresentada continua a não coincidir com o gráfico mesmo depois de incluídas várias reconstruções de temperaturas com diferentes metodologias. Se calhar foi por isso que a Nature não publicou o gráfico. Em 2009, ainda carece de demonstração. E não é verdade que não tenha publicado correcções (PDF).
O primeiro gráfico com os seus 752 cientistas, lembra-me para rogar ao Miguel B. Araújo para verificar se não será um deles.
Quanto ao bombástico "In 2009 McIntyre did it again with Briffa’s Hockey Stick.", que eu saiba carece de demonstração pelo próprio McIntyre. As alegações já foram refutadas por Keith Briffa mas a página da University East Anglia está em baixo para linkar. Mas que interessa esse detalhe? O que interessa é colocar a bola na relva, os negacionistas fazem o resto.
E por falar em resto... bem espremida (salvo seja) da Jo Nova sobra o quê? Contribuição para a ciência? Zero. Contribuição para o ruído? É especialista. -- JRF

Range-o-Dente disse...

JoseRui,

"Pelo menos! Porquê ficarmos por aí? Remeto-o para o meu primeiro comentário que naturalmente lhe escapou."

Olhe que nessa altura já havia cérebros com mais que uma célula.

"Sem uma única ideia original."

Ah. Já percebi. Você preocupa-se com a estirpe do teclado de onde é feito o copy/paste, mas não com o que lá esta escrito.

"Sabe o que gosto nele? Nada."

Até pode gostar dele todinho. Isso seria um problema entre vós.

"Custa-me ler uma página com gráficos de má qualidade,"

A malta do kaviar é muito esquisita com a embalagem.

"e calhar foi por isso que a Nature não publicou o gráfico."

Ou talvez porque o peer review em causa era o 'apropriado'. Precisa de mais uns links para os mails?

"E não é verdade que não tenha publicado correcções"

E muitas se seguirão, pode estar certo.

"As alegações já foram refutadas por Keith Briffa mas a página da University East Anglia está em baixo para linkar."

Pois claro. Briffa é aliás um excepcional refutador da realidade. Usa o mail como ferramenta coordenadora.

"O que interessa é colocar a bola na relva, os negacionistas fazem o resto."

Os negacionistas da realidade têm feito um excelente trabalho. Os mails comprovam-no.

"Contribuição para a ciência?"

A máxima. Os cientologistas do clima têm caído como tordos. Até o Mann, sentindo-se acossado, tratou de catrafilar os (ex?)-amigalhaços.

Range-o-Dente disse...

Excelente Hockey Stick.

http://wattsupwiththat.com/2009/12/09/hockey-stick-observed-in-noaa-ice-core-data/

Já sei, já sei. Cientologia (à excepção do primeiro gáfico).

E da qualidade dos gráficos?

Anónimo disse...

José Rui diz: "10.000 anos parece-lhe bem"

E o dos dentes responde:
"Não, porque a maioria desse tempo estava-se num período glaciar, como você deve saber."

A ignorância não tem limites. A última glaciação acabou há pouco mais de 12000 anos e desde então temos vivido num interglaciar (período quente), com curtos períodos de arrefecimento (principalmente regional).

Com este nível de argumentação por parte dos "amigos" é caso para dizer que os negacionistas menos desinformados não precisam de "inimigos".

joserui disse...

"A malta do kaviar"
Errou por quilómetros. Como tudo o resto. Vindo de si é um padrão. Incomoda-me ligeiramente a indigência mental. Incomodava-me menos se fosse kaviar, mas sabe como são os tempos. Anda tudo ao contrário.

Portanto e resumindo, temos num prato da balança a Jo Nova, no outro o NOAA. E as pessoas aqui têm de considerar os pratos equilibrados. Ou melhor, têm de considerar que em termos de credibilidade científica o prato pende para o lado da Jo Nova. Da Jo Nova e do Range o Dente. Vou pensar no seu caso.

É como diz o Henrique Pereira dos Santos, são ignorantes e com muito orgulho.

Algo me diz que os seus títulos, apesar de conterem resíduos de genialidade, não foram aprovados.

Tenho uma novidade: Na próxima vez que quiser conversar consigo vou ao Blasfémias. É intelectualmente estimulante, mas ao contrário. -- JRF

Range-o-Dente disse...

JoseRui,

"Jo Nova"

Pois é. Vá-se preocupando porque tudo indica que é por aí que a coisa vai, quer goste quer não.

Prepare-se porque as NOOAs os IPCCs, os CRUs, etc, vão andar que nem um pião. E é bom que assim seja, a bem da ciência.

Claro está, que quanto mais se insistir no erro maior vai ser a perplexidade.

http://wattsupwiththat.com/

Entretenha-se. Fique banzado.

Não se preocupe com os cientologistas porque esses serão deixados de fora. Preocupe-se com os cientistas que se comportaram como cientologistas.

Veja se consegue perceber de que lado se encontra.

Range-o-Dente disse...

http://ecotretas.blogspot.com/2009/12/as-resposta-de-miguel-ambio.html

.

Lowlander disse...

Caros comentadores,

Aconselho que deixem de responder a comentadores que tem comportamento tipico de
Troll

Sei que sou eu proprio culpado disso mesmo nesta caixa de comentarios. Mas lembrem-se:
Don't feed the troll


Caro Miguel e demais gestores deste blogue:

Aconselho vivamente a enfrentarem este comportamento disruptor da discussao equilibrada e racional nas vossas caixas de comentarios determinadamente e o mais rapido possivel porque este tipo de fenomeno tende a se comportar como uma bola de neve.

Range-o-Dente disse...

Lowlander:

"Aconselho vivamente a enfrentarem este comportamento disruptor da discussao equilibrada e racional"

p.jones:

"is a Freedom of Information Act now in the UK, I think I'll delete the file rather than send to anyone."

"porque este tipo de fenómeno tende a se comportar como uma bola de neve. "

Há por aí um escândalo que tem, com isto, algo em comum.

Range-o-Dente disse...

Prof Bruce Hewitson

http://www.businessday.co.za/articles/Content.aspx?id=87726

.