segunda-feira, fevereiro 08, 2010

Bem vindo, Delgado Domingos

Esta imagem roubei-a daqui, para onde transbordou parte da discussão que se desenrolou (timidamente) no Expresso mas sobretudo aqui na Ambio
O Público de ontem tem um artigo de opinião de Delgado Domingos sobre alterações climáticas.
É um artigo crítico em relação às opções políticas da União Europeia na matéria.
A crítica assenta na ausência de fundamentação científica para relação quantitativa entre o CO2eq na atmosfera e o aumento da temperatura média global do ar junto à superfície.
Mas o que me pareceu mais notável no artigo é o que me parece (e sublinho o parece, apesar de já ter usado a palavra duas vezes numa frase tão curtinha) que há uma evolução na posição de Delgado Domingos desde a última troca de argumentos que ocorreu no espaço público sobre o assunto, nomeadamente aqui na Ambio.
Delgado Domingos não fala em fraude científica a propósito das alterações climáticas, insurgindo-se apenas contra o alarmismo (bem vindo), não contesta o aquecimento global antropogénico mas a atribuição de todas as alterações apenas ao CO2eq (bem vindo), faz uma referência ligeira ao climagate a propósito da contaminação do debate científico por opções políticas mas sem o associar imeditamente a qualquer fraude (bem vindo), afirma taxativamente que a União Europeia deve estar preocupada com as alterações climáticas de origem humana (bem vindo), e conclui que os outros efeitos que resultam dessas emissões chegam para se fazer opções políticas, não sendo necessário dramatizar o seu efeito no aquecimento global (bem vindo).
Ou seja, o que sobra de discordância é o velho argumento de que é preciso ter certezas para agir e o de que os efeitos do corte de emissões e do mercado do carbono é catastrófico social e economicamente.
Como se vê, nada de ciência, tudo de política com base em argumentos não demonstrados mas a necessitar de discussão séria.
Há tempos concluí, pelo meu próprio exemplo, que o climagate arriscava-se a ser um grande contributo para o consenso social à volta do aquecimento global: não só põe algum travão no alarmismo, o que é bom, como sobretudo muitas pessoas que evitavam a discussão, por demasiado complexa, foram obrigadas a entrar nela, a ler a informação primária e, por isso, reduziram muito as dúvidas sobre a solidez científica que suporta a tomada de decisão política.
Parece-me ser o caso de Delgado Domingos, tal como aliás foi também o meu caso (com a distância de conhecimento científico que nos separa, evidentemente, eu não percebo nem um quarto do que leio sobre a matéria).
Bem vindo ao campo da discussão que se pretende mais racional e menos contaminada por posições pré-definidas por critérios externos ao essencial do que está em causa.
henrique pereira dos santos

3 comentários:

EcoTretas disse...

Não percebo estas deduções, Henrique. Primeiro, são poucos os que negam a existência de aquecimento, sobretudo até ao ano 2000. O que se nega é que ele seja consequência do CO2, que as medições de temperaturas sejam absolutamente fiáveis, e que seja garantido que existe um hockey-stick, entre outros aspectos. Agora, fraude científica é absolutamente evidente que houve, e cada vez mais isso fica evidente. Basta ver a quantidade de falhas descobertas em poucos dias nos relatórios do IPCC.

Para mim, é igualmente evidente que o peer-review vai evoluir. Nada consegue parar os milhares/milhões de entusiastas do tema que coabitam na Internet. Eu e tu, e muitos mais... Como referes, pode haver distância no conhecimento científico entre as partes, mas o melhor virá sempre à tona.

Finalmente, evoluções de opinião, ou mesmo mudanças são sempre bem-vindas. Veja-se o meu caso, em relação a mecanismos de combate aos fogos florestais. Sempre fui um grande defensor das centrais de biomassa, mas perante as tuas ideias das cabras, adaptei a minha argumentação. Pode ser que até esteja alguma coisa mal neste raciocínio, mas é normal que possa admitir mais tarde que até há uma melhor solução...
Ecotretas

Eduardo F. disse...

Caro Henrique Pereira dos Santos,

Saúdo-o pela sua auto-anunciada humildade. Fica-lhe bem, especialmente na vizinhança do Prof. Delgado Domingos.

José M. Sousa disse...

Jornal "The Independent"

Think-tanks take oil money and use it to fund climate deniers